Quer plantar os seus próprios jilós e não sabe por onde começar? Calma, a gente vai dar algumas das principais dicas para que suas plantas tenham uma produção bem boa mesmo em pequenos espaços!

Como o jiló faz parte da família das solanáceas, assim como o tomate e o pimentão, ele gosta de estações quentes. A planta tem caule ereto, flores brancas e é  super fácil de cultivar, principalmente em épocas com poucas chuvas.
shutterstock_616657739
Flor do jiló

Apesar de não tolerar solo com excesso de umidade, condição que provoca podridão do colo na planta, a cultura necessita de boa disponibilidade de água durante todo o ciclo, especialmente na fase de frutificação, então capriche na irrigação! O jiló pode ser plantado em vasos e jardineiras, podendo ser cultivado até em apartamentos 🙂

Dicas básicas:

– Monte um vaso bem drenado, com uma camada de argila expandida embaixo (ou pedrinhas), uma camada de areia e depois o substrato.
– Plante em épocas quentes, entre agosto e fevereiro nas regiões Sul e Sudeste, ou entre março e outubro nas regiões Centro-Oente, Norte, Nordeste e no Rio de Janeiro.
– Faça o plantio inicial em sementeiras, usando 3 sementinhas e regue com borrifador. Se todas germinarem, descarte as excedentes de modo que fique uma muda em cada copinho. Após a planta atingir 10cm de altura, transplante para o local definitivo.
– Se for plantar em vasos, escolha um de pelo menos 30cm de profundidade
– Regue com regador de modo a deixar a terra sempre úmida, mas nunca encharcada.
– Todos os meses, aplique Fertigarden ou adubos orgânicos para nutri a planta.
– A colheita pode ser iniciada cerca de 110 dias após os semeio!

ref_161
Jiló Morro Grande

160
Jiló Tinguá

Fonte: Jadir Borges Pinheiro, pesquisador da Embrapa Hortaliças, www.embrapa.br/fale-conosco